Mensagens

Pelo sonho e pelas pernas é que fomos

Imagem
  Pelo sonho é que fomos à Lapa de Santa Margarida... quer dizer, pelo sonho, mas especialmente pelas pernas pois o percurso a partir da frente da Casa do Gaiato, na estrada para o Portinho da Arrábida, e a entrada da Gruta puxava essencialmente pelo físico e pelo equilíbrio. Lá chegados, constantemente ladeados por aparentemente apetitosos, mas também espinhosos figos-da-Índia, houve um momento de poesia. O primeiro momento de poesia da manhã. A abertura para a entrada na Lapa de Santa Margarida "observava e ouvia" serenamente as palavras, perante um cenário de mar e céu debruado à esquerda, para quem estava virado para sul) por pedaços de rochas irregulares. Chegou a hora de descer os degraus da entrada em direção primeiramente a um certo encadeamento (o Sol já estava forte) e depois a um grande deslumbramento. Não era preciso ser geólogo para ficar extasiado com o cenário; o tempo tinha sido criativo nas nuances de cores e misturas de tons e de rochas, umas mais pontiaguda

Filmagens de “Memória da Água” arrancam na Mitrena

Imagem
  Teve início, a 2 de Junho, na zona da Mitrena, as filmagens de “A Memória da Água”, um filme de Alberto Pereira, com argumento de Salvador Peres. O personagem central do filme é um fotógrafo que parte em busca dos antigos barcos que, no passado, transportaram milhares de pessoas entre Setúbal e Tróia, e, hoje, jazem, abandonados, num areal suburbano e solitário da Mitrena. O filme mergulha no Rio Sado, desde a nascente à foz, e nas memórias guardadas no imenso ventre líquido do seu estuário. A personagem do fotógrafo é interpretada pelo declamador João Completo. Nuno David também participa no filme com um pequeno papel, na pele de um pescador que guarda memórias de tempos saudosos, quando Tróia e Setúbal eram como irmãs, vivenciando, num vaivém entre as duas margens, memórias felizes partilhadas por muitas gerações de setubalenses. A equipa:  O pescador (Nuno David), o guionista (Salvador Peres,  o realizador (Alberto Pereira) e o fotógrafo (João Completo) s Y napsis  2010-2024 -  14

No atelier do aguarelista Nuno David

Imagem
  O atelier de pintura de Nuno David é um local mágico. Fica num refúgio na Quinta de Alcube, envolvido pela serenidade da natureza, onde a maior parte dos sons são entrecortados pelo silêncio. Visitar o atelier de Nuno David é viajar num tempo bordejado de óleos, aguarelas e outros materiais. Visitar o atelier de Nuno David é perceber a envolvência do bom gosto e da criatividade. Visitar o atelier de Nuno David na Quinta de Alcube é respirar energias e receber alento para também querer criar. Visitar o atelier de Nuno David é navegar numa dimensão de cores e contornos que nos transporta para o mundo da arte, da cultura e da amizade.  O José Alex e a Sofia visitaram o atelier de Nuno David na semana passada, deambularam pelas suas obras, visitaram o Museu da Quinta de Alcube, onde Nuno David tem inúmeras obras, e especialmente ouviram histórias de vidas e devidas. Ficou a vontade de voltar mais e mais vezes. Sempre! José Alex Gandum s Y napsis  2010-2024 -  14 anos ao serviço da cultur

Por estes trilhos acima

Imagem
  A canção diz que "é madrugada, não importa, neste silêncio há mais verdade...", e silêncio natural foi o que os caminhantes madrugadores começaram por "ouvir" quando se meteram a caminho depois de saírem dos denominados ferries, barcos que levam um pedaço da cidade de Setúbal à outra banda do Rio Azul.    Nem quente nem fria, a manhã estava convidativa a deambular pelas areias de Tróia, entre histórias e estórias do inevitável guia Nuno David e o desencantar de vestígios de ostras e outros achados, que faziam as delícias nas mãos e nos olhares dos caminhantes.   Enquanto houver caminho para ir andando, os caminhantes foram continuando até desembocarem na parte sul da Caldeira de Tróia, fenómeno geológico e hidrológico fundamental para preservar um ecossistema único. Entre salicórnia e tomilho, para além de outros aromas, passagem pelo pinhal e pelos areais brancos bordejados de vegetação delicada.    A caminhada por Tróia, organizada pelo Synapsis, não terminou se